Ah porque temos de fazer um blog e pronto cá estamos nós =)

.posts recentes

. Apresentação Final do nos...

. Classificação do Concuros...

. Resultados obtidos dos in...

. Nas etapas finais

. Avaliação do 2º periodo

. News in helenadoscarrasca...

. helenadoscarrascais desej...

. Objectivos/ Estratégias p...

. Balanço do 2º Período

. já temos mapa!

. Conclusões das apresentaç...

. News in helenadoscarrasca...

. Pontos Fortes e pontos fr...

. Apresentação do projecto ...

. Ocupadíssimos...

. Inquéritos à população

. O mapa da nossa vila

. News in helenadoscarrasca...

. Guião dos inquéritos

. Procura dos locais

. Visita de estudo- Lisbon ...

. Avaliação do 1º periodo

. Balanço do período

. Estrutura etária da popul...

. Entrevista ao Presidente ...

. Pesquisa sobre os planos ...

. Uma zona periurbana

. ponto da situação

. Breve apresentação de Can...

. Calendarização das Activi...

. Pormenores do nosso Proje...

. O que queremos com este p...

. o tema escolhido

. somos nós

.arquivos

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

.Aspectos negativos vs Aspectos positivos

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2008

Visita de estudo- Lisbon Experience

                         

                          (foto tirada pelos elementos do grupo)

A visita de estudo que fizemos ao Padrão dos Descobrimentos e o documentário "Lisbon Experience" que visualizamos, solicitam-nos a seguinte comentário:

Lisboa é das cidades mais antigas do país, existindo há mais de três mil anos, atravessando muitas mudanças ao longo dos tempos e sendo invadida por diferentes povos.

Tem-se conhecimento dos diferentes povos a chegar a Lisboa – no inicio são os Romanos em 138 AC; depois ão-se as invasões dos Germanos e Hunos; os Árabes, em 711, tendo 120000 pessoas a habitarem na Al-Ushbuna (Lisboa). Em 1143, nasce Portugal e Afonso Henriques invade Lisboa formando-a. Com a perda da independência, para os Filipes (1580) Lisboa perde também muito do que tinha como a sua importância; depois do domínio filipino dá-se a restauração e a cidade cresce, mas, com o terramoto de 1755, tudo fica em ruínas e mais uma vez, perde-se muito da capital. Sem a organização de Marquês de Pombal, Lisboa não se conseguiria erguer. É com base na célebre frase: “necessário será enterrar os mortos, cuidar dos vivos e construir a cidade”, que a Lisboa passa a ter um rumo melhor. No século XIX, com toda a influência da Europa, Lisboa avança na indústria, sendo estimulados vários empreendimentos económicos e industriais. Com o 25 de Abril, já Lisboa era o centro de Portugal há muito tempo, tendo-se cada vez mais verificado esse facto.

Tal como Lisboa, a pequena freguesia de Caneças tem um passado histórico que dista desde a época dos Árabes e Romanos. Daí a crença de que o seu nome, Caneças, advém do étimo árabe “Caniça” que significa “templo de cristãos”. Existe uma outra explicação para o nome da vila: entre 1274, período do reinado do rei D. Dinis, que terá sentido sede quando passou pela vila e uma mulher da terra lhe terá trazido a famosa água de Caneças, numa caneca, determinou o rei que a população assim se chamasse. Com o passar de muitos anos “caneca” evoluía para “Caneças”. A criação da freguesia fez-se com a lei nº 413 de 10 de Setembro de 1915, tendo sido desanexada da Freguesia de Santa Maria de Loures. Foi elevada à categoria de Vila em 16 de Agosto de 1991. Um facto de que Caneças foi uma vila importante para Lisboa, no passado, foi por ter águas tão puras que Lisboa necessitava delas e eis que surge a relação entre a capital e a vila. Muitas pessoas, devido aos ares poluídos de Lisboa, vinham para Caneças, achando que este era um local de veraneio e estâncias de tratamento, como foi o caso de Cesário Verde que veio para a vila (*), fazendo referência a ela nas suas obras. Claro que este propósito iria dar notoriedade à vila e também criar novos “trabalhos”: os aguadeiros que levariam a água a Lisboa. Não só existiam os aguadeiros como também as lavadeiras, tão importantes na altura, que se chega a realizar um filme com elas e aqui na vila (filme: “A Aldeia da roupa branca”); temos também os viveiristas. Quanto aos viveiristas, a sua actividade era feita só em Caneças, pois esta tinha muitos viveiros e, como tinham de ser tratados, surge assim este papel. Posto isto, vimos que Caneças também é um espaço de identidades, tal como Lisboa, identidades que ainda marcam a vila, mas que aos poucos se vão deixando para trás.

Quanto ao nosso projecto, o visionamento deste filme foi bastante importante. Ao vermos a evolução que Lisboa teve com o passar dos anos, idealizamos também essa evolução (que se está em certa parte a dar) em Caneças.

 (foto tirada pelos elementos do grupo)

No fundo, o nosso projecto enquadra-se no concurso “cidades criativas”, porque oferece a pluralidade histórica e cultural que Caneças oferece a quem a visita, tal como Lisboa, que vimos no audiovisual. Esta visita foi enriquecedora para o nosso projecto, porque, duma maneira ampla, conseguimos ver o que Caneças tem para facultar à sua população e o que poderemos fazer para que isso seja possível.

 

(*) Consta que Cesário Verde viveu na casa de um elemento do nosso grupo.

publicado por helenadoscarrascais às 22:35
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds